Ministério do Trabalho e Emprego resgata 702 crianças do trabalho infantil no Brasil nos primeiros quatro meses do ano

No período de janeiro a abril deste ano, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) resgatou um total de 702 crianças e adolescentes que estavam envolvidos em situações de trabalho infantil em todo o país.

Brasil
Publicado em 21/06/2023
Ministério do Trabalho e Emprego resgata 702 crianças do trabalho infantil no Brasil nos primeiros quatro meses do ano

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (12) em Brasília, em comemoração ao Dia Mundial e Nacional contra o Trabalho Infantil.

De acordo com os registros da Auditoria Fiscal do Trabalho do MTE, do total resgatado, 100 crianças (14%) tinham até 13 anos de idade, 189 (27%) tinham entre 14 e 15 anos, e 413 (59%) eram adolescentes de 16 a 17 anos. Em relação ao gênero, 140 (20%) eram meninas e 562 (80%) eram meninos.

Os estados com o maior número de casos de trabalho infantil identificados no primeiro quadrimestre foram o Espírito Santo, com 38 adolescentes entre 15 e 17 anos; Roraima, com 23 adolescentes entre 13 e 17 anos; Alagoas, com 19 crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos; e Ceará, com 14 jovens entre 15 e 17 anos.

As principais atividades econômicas em que foram constatados casos de trabalho infantil foram o comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas, além de serviços de alojamento e alimentação.

O diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Vinícius Carvalho Pinheiro, destacou que a pandemia de COVID-19 agravou a situação do trabalho infantil tanto no Brasil quanto no mundo. Ele afirmou: “A pandemia anulou todos os esforços que tinham sido feitos. Por um lado, houve uma crise econômica sem precedentes; por outro, houve o fechamento das escolas em locais onde era muito difícil implementar políticas de ensino a distância. A combinação desses dois fatores foi a tempestade perfeita para o aumento do trabalho infantil”.

O auditor fiscal do trabalho da Coordenação Nacional de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Infantil do MTE, Roberto Padilha Guimarães, confirmou o crescimento do trabalho infantil após a pandemia. Ele explicou que existem diversas formas de trabalho infantil encontradas pelos fiscais, como o trabalho para a própria família, o trabalho informal, onde crianças vendem produtos em sinais de trânsito, e situações em que as crianças são exploradas. O foco das ações é a exploração do trabalho infantil e as piores formas dele, como crianças trabalhando na construção civil, vendendo bebidas alcoólicas ou em serralherias.

Padilha ressaltou que as ações de fiscalização foram intensificadas nos meses de maio e junho, em função do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, e as mobilizações contra essa violação dos direitos das crianças e dos adolescentes.

Para auxiliar na erradicação do trabalho infantil até 2025, conforme estabelecido na Agenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, o Ministério do Trabalho e Emprego lançou o Manual de Perguntas e Respostas sobre Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente. O manual, que tem 63 páginas e foi elaborado com base nas experiências de auditores fiscais do trabalho, aborda conceitos básicos sobre o trabalho infantil, suas consequências e riscos para o desenvolvimento físico e psicossocial das crianças e dos adolescentes, além de tratar das normas internacionais e nacionais sobre o tema e das atividades dos auditores fiscais.

O objetivo do manual é sensibilizar a sociedade e prevenir novas situações de trabalho infantil, uma vez que ainda existe desconhecimento da legislação e dos danos causados pelo trabalho precoce. O documento também lista as piores formas de trabalho infantil e tem como foco informar e apoiar as ações de combate a essa prática.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, aproximadamente 1,8 milhão de crianças e adolescentes, com idades entre 5 e 17 anos, estavam em situação de trabalho infantil no Brasil. Desses, 706 mil estavam envolvidos nas piores formas de trabalho infantil.

O diretor da OIT/Brasil, Vinícius Carvalho Pinheiro, destacou a importância de políticas públicas integradas para combater o trabalho infantil, incluindo a oferta de trabalho decente para as famílias, políticas de proteção social, como o Bolsa Família, e políticas de educação de qualidade. A legislação brasileira estabelece que a idade mínima para o trabalho é 16 anos, mas há restrições para adolescentes de 16 e 17 anos em relação a atividades insalubres, perigosas, noturnas, penosas ou prejudiciais à moralidade. A partir dos 14 anos, os adolescentes podem trabalhar como aprendizes, desde que observadas as leis que regulamentam a aprendizagem profissional.

*Com informações de Agência Brasil.

Leia mais em Brasil

Prova de Vida: Mulher Anda com Cadáver em Banco
Brasil
A sessão judicial, agendada para as 13h, determinará se ela será liberada ou continuará detida. Acusada de tentativa de furto por fraude e vilipêndio de cadáver, Érica...
Brasil Perde Ziraldo, o Gênio Criativo por Trás de ‘O Menino Maluquinho’, aos 91 Anos
Brasil
Ziraldo partiu enquanto dormia, em sua residência no pitoresco bairro da Lagoa, na Zona Sul do Rio de Janeiro, por volta das 15h, deixando um legado imortalizado na cultura...
Ciedde: Conheça o centro de combate à desinformação para eleições municipais
Brasil
O estabelecimento do Centro Integrado de Combate à Desinformação e Defesa da Democracia (Ciedde) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é uma iniciativa significativa para...
Dengue, Hepatite e Insuficiência Renal
Brasil
Este cenário não apenas desperta preocupações imediatas, mas também lança luz sobre as graves complicações que podem advir da doença, incluindo hepatite e insuficiência...
Também é para Caieiras: Confira Calendário Oficial Nacional 2024
Brasil
À medida que nos despedimos das festas de fim de ano, o foco se volta para o que 2024 reserva em termos de feriados e pontos facultativos. Com a publicação oficial da lista...
Brasil Enfrenta Aumento de Casos de Dengue e Chikungunya: Medidas Urgentes são Necessárias
Brasil
Nas primeiras semanas de 2024, o país registrou 243.721 casos prováveis de dengue, marcando uma incidência de 120 casos para cada 100.000 habitantes. Até o momento, 24 mortes...

Últimas novidades

Noticias de Caieiras e Região na Edição 75: Avanços Tecnológicos com a Chegada do 5G
Edição da Semana
Nesta edição, mergulhamos nas vibrações culturais e nos acontecimentos impactantes de nossa comunidade. Não perca a cobertura exclusiva do espetáculo teatral "O Homem...
‘O Homem Capivara Contra Vargas’ Promete Revolucionar a Cena Cultural de Caieiras
Entretenimento
Em um mergulho caleidoscópico pelo teatro, "O Homem Capivara Contra Vargas" se apresenta não apenas como uma peça de entretenimento, mas como um convite reflexivo aos meandros...
Repercussão e Reversão: O Caso da Pedreira em Caieiras 2024
Caieiras
O episódio de Caieiras é um lembrete poderoso do papel que a vigilância social e a responsabilidade política desempenham na preservação dos recursos naturais e na...
Caieiras celebra sua expressão cultural com o festival “Cidade das Artes”
Entretenimento
Com um panorama vibrante de atividades artísticas, o Festival "Caieiras Cidade das Artes" promete ser um marco cultural na cidade, com eventos programados de 22 de abril a 05 de...
Caieiras Celebra Diversidade Cultural na 17ª Festa dos Estados: Entrada Gratuita e Atrações para Todos
Entretenimento
Este ano, a festividade, que já se tornou um marco na cidade, é uma iniciativa conjunta da Paróquia Santa Rita de Cássia e da Prefeitura de Caieiras. Os visitantes poderão...
Prefeito de Franco da Rocha Anuncia Diagnóstico de Câncer e Reafirma Compromisso com a Cidade
Notícias
"Já estou de volta ao trabalho, atuando normalmente na Prefeitura, e não posso deixar de agradecer aos profissionais de saúde que têm sido verdadeiros aliados nessa...

Jornal Fala Regional

Nosso objetivo é levar conteúdo de forma clara, sem amarras e de forma independente a todos. Atendemos pelo jornal impresso as cidades de Caieiras, Franco da Rocha, Francisco Morato, Mairiporã e Cajamar, toda sexta-feira nas bancas. Pela internet o acesso é gratuito e disponível a todos a qualquer momento, do mundo inteiro.

Vamos Bater um Papo?