Reflexão sobre o poder do conceito de gênero: indo além das diferenças físicas

A importância do termo “gênero” nas ciências humanas é tema de reflexão profunda.

Artigo
Publicado em 8/06/2023
Reflexão sobre o poder do conceito de gênero: indo além das diferenças físicas

Ao invés de focar na dicotomia entre sexo biológico e nas diferenças entre homens e mulheres, a utilização do termo “gênero” surge da compreensão de que são as relações sociais que geram desigualdades, e não a natureza ou o corpo em si. Ser mulher, por exemplo, não é determinado pelos órgãos reprodutivos ou pelos genes, mas sim pela forma como cada sociedade e época delimita o espaço apropriado para as mulheres. O conceito de gênero vai além das diferenças sexuais e abrange a construção histórica e cultural do que é considerado feminino ou masculino em cada contexto social.

A origem do termo “gênero” remonta às pesquisas médicas sobre identidade de gênero realizadas nos Estados Unidos, a partir do século passado. Inicialmente, essas pesquisas focavam em intervenções cirúrgicas e hormonais para adequar a identidade de gênero de pessoas intersexuais, buscando alinhar seu corpo, especialmente a genitália, à sua identidade de gênero. Posteriormente, esses tratamentos passaram a ser oferecidos a pessoas que não se sentiam confortáveis com o sexo atribuído no nascimento, visando a harmonização entre corpo e identidade de gênero.

No âmbito das ciências humanas, o termo “gênero” se consolidou nas décadas de 1980 e 1990, em diálogo com as teorias feministas que discutiam o processo de tornar-se mulher e abordavam a assimetria e a desigualdade social entre homens e mulheres. A frase marcante do livro de Simone de Beauvoir, “O Segundo Sexo”, publicado em 1949, “não se nasce mulher, torna-se mulher”, expressa a ideia de que a condição de ser mulher não é determinada apenas pelo corpo. Pesquisas nas áreas da antropologia e historiografia desde a década de 1970 têm demonstrado como o papel social e a experiência de ser mulher (ou homem, ou de pertencer a um terceiro gênero, presente em alguns grupos sociais) variam significativamente em diferentes contextos.

Nas perspectivas mais contemporâneas, o conceito de gênero nos impulsiona a transcender a oposição binária entre homens e mulheres, considerando que as pessoas são atravessadas por outras diferenças sociais, como classe social, raça, etnia, sexualidade, deficiência ou geração. Esses diversos aspectos influenciam a posição social ocupada por cada indivíduo e moldam suas experiências. Ser uma jovem mulher negra e lésbica, por exemplo, é muito diferente das possibilidades e situações vivenciadas por uma professora universitária branca de meia-idade. Portanto, na análise da vida social, é fundamental compreender que as desigualdades e discriminações estão relacionadas não apenas ao gênero, mas também à classe social, raça, etnia, orientação sexual, deficiência e outros marcadores sociais.

Nessa concepção, não existe uma noção genérica de “a mulher”, pois o que encontramos são mulheres diversas, vivendo em contextos distintos, com características e experiências variadas. Sejam elas brancas, negras, indígenas, cisgênero ou transgênero, heterossexuais, bissexuais ou homossexuais, crianças, jovens ou idosas, com ou sem deficiência, pertencentes a diferentes classes sociais, mães ou não, vivendo em áreas urbanas, rurais, aldeias ou vilas, cada situação apresenta uma multiplicidade de circunstâncias. A teoria de gênero busca considerar as interseções entre esses diversos marcadores sociais da diferença. “Gênero, raça e classe” são as categorias iniciais de uma abordagem científica que busca compreender a articulação entre esses eixos de diferença social.

Além de enfatizar que as diferenças não são naturais e que estamos sujeitos a outras diferenças sociais, o conceito de gênero também remete à forma como diferentes sociedades e épocas atribuem significados ao que é considerado feminino ou masculino, classificações que vão além dos corpos. Por exemplo, determinadas atividades podem ser vistas como masculinas ou femininas, como a feminização da enfermagem ou da educação infantil (e do cuidado), e a masculinização de posições de poder e de atividades relacionadas à força e até mesmo à violência. Nessa perspectiva, é um viés de gênero imaginar que meninos não choram, mas podem ser agressivos.

O estudo de gênero não se restringe apenas a compreender as situações vivenciadas pelas mulheres, mas busca entender por que e como são produzidas masculinidades violentas, relações desiguais, discriminação e preconceito contra mulheres e pessoas LGBTQIA+. Reconhecer que as diferenças não são fisiológicas possibilita uma melhor compreensão das relações sociais, abrindo espaço para questionar as desigualdades (que são sociais e não fixadas no corpo) e as discriminações, promovendo um maior respeito pela diversidade.

Texto com base no artigo de Heloísa Buarque de Almeida, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, publicado no Jornal da Usp.

Leia mais em Artigo

4 dicas para fazer 2024 funcionar pra você
Artigo
Estabelecer metas alinhadas aos nossos próprios desejos e necessidades é essencial para evitar sentimentos de fracasso e frustração. Todos os anos, nos comprometemos com uma...
Fabiano de Cristo: A Importância da Família no Desenvolvimento da Personalidade do Homem
Artigo
A comunicação dentro da família também é fundamental para o desenvolvimento da personalidade. Conversas abertas e honestas permitem que os membros da família expressem seus...
Hospital Espírita Fabiano de Cristo – Jornada Espiritual: Explorando o Caminho Interior
Artigo
A jornada espiritual é uma busca intrínseca que nos leva a explorar os recantos mais profundos de nosso ser. É um caminho de autodescoberta, uma jornada rumo ao cerne de nossa...
Hospital Espírita Fabiano de Cristo: Hoje, o presente
Artigo
Seja qual for a minha idade, ou a sua, a vida é extremamente restrita ao hoje....
Fabiano de Cristo –  O luto antecipatório em familiares de pessoas com câncer
Artigo
O luto antecipatório é um fenômeno complexo que afeta muitos familiares de pessoas com câncer. Essa forma de luto ocorre quando os entes queridos começam a enfrentar o...
5 Dicas Infalíveis da Babá de Sucesso
Artigo
Uma babá organizada é capaz de garantir um ambiente seguro para as crianças. Isso inclui manter os brinquedos e equipamentos infantis arrumados e em boas condições,...

Últimas novidades

Brasil Perde Ziraldo, o Gênio Criativo por Trás de ‘O Menino Maluquinho’, aos 91 Anos
Brasil
Ziraldo partiu enquanto dormia, em sua residência no pitoresco bairro da Lagoa, na Zona Sul do Rio de Janeiro, por volta das 15h, deixando um legado imortalizado na cultura...
Desvendando a Origem do SEO: Uma Jornada pela História dos Motores de Busca na Internet
Tecnologia
Logo em sua esteira, outros gigantes se ergueram: o Yahoo em 1994 e, posteriormente, o monumental Google em 1997. Idealizado como um imenso catálogo virtual, o Google foi...
Jornal Fala Regional – Nº 74: Caieiras Contra Pedreira e Contas do Ex-Prefeito Gersinho Aprovadas
Edição da Semana
Descubra o que está acontecendo em sua comunidade nesta edição repleta de notícias e histórias...
Mega-Sena Acumula Prêmio de R$ 13 Milhões e Timemania Oferece R$ 25,1 Milhões em Sorteios Especiais
Entretenimento
Se a sorte sorrir para um único apostador e ele decidir aplicar toda essa fortuna na poupança, pode contar com um rendimento de quase R$ 69 mil já no primeiro mês. Um prêmio...
Van desgovernada invade supermercado em Perus, deixando um morto e oito feridos
Notícias
O falecimento de João Alves Penteado, de 70 anos, é uma perda irreparável. Sua coragem ao alertar sua neta para correr e salvar-se, mesmo diante do perigo iminente, é um...
Projeto 3º Sinal retoma atividades com grandes novidades e espetáculos de sucesso
Entretenimento
Em maio, em parceria com a Prefeitura e a Secretaria da Ação Cultural e Turismo de Caieiras, o grupo apresentará a adaptação de "O Pequeno Príncipe", também dirigido por...

Jornal Fala Regional

Nosso objetivo é levar conteúdo de forma clara, sem amarras e de forma independente a todos. Atendemos pelo jornal impresso as cidades de Caieiras, Franco da Rocha, Francisco Morato, Mairiporã e Cajamar, toda sexta-feira nas bancas. Pela internet o acesso é gratuito e disponível a todos a qualquer momento, do mundo inteiro.

Vamos Bater um Papo?